Eleições 2012 - Transporte - Portal Meu Bairro


Notícias

Publicado em 28 de setembro de 2012 | Por Redação Meu Bairro

Eleições 2012 – Transporte

Eleições 2012 Meu Bairro

Elenice Telles, moradora do bairro Camaquã – O senhor tem um projeto para melhorar o trânsito na Zona Sul?

Roberto Robaina – Vamos implementar o transporte hidrovário da Zona Sul ao centro da cidade, pelo Rio Guaíba. Isso ajudará a melhorar o trânsito na região.  Além disso, precisamos ter um transporte coletivo de qualidade. Em nosso governo, os empresários do transporte não irão controlar esses serviços como fazem hoje: sem licitação, com tarifas abusivas e com qualidade precária. As planilhas de aumento das passagens serão auditadas. A empresa Carris será ampliada. Também implementaremos o projeto “Porto Alegre no guidom”, a partir do qual os ciclistas, junto à Prefeitura, planejarão as ciclovias, bicicletários e campanhas de incentivo ao ciclismo, aplicando os 20% arrecadados pelas multas da EPTC, como prevê o Plano Diretor Cicloviário, para construção de ciclovias, ciclofaixas e projetos de educação para trânsito.

 

Cléo Setúbal, morador do bairro Cavalhada – A Avenida Otto Niemeyer sempre fica intransitável em horários de pico, quando ela vai ser remodelada?

José Fortunati – Nossa Capital já atingiu a marca de um carro para cada dois habitantes. Por isso, as soluções para mobilidade urbana passam pelos estudos da integração dos tipos de transporte público, pela ampliação de vias e, também, pelo reordenamento de algumas já existentes. Tudo isso está sendo feito pela Prefeitura. Em alguns pontos, as mudanças de mão, novas sinaleiras ou rotatórias já estão dando resultados. Além disso, os BRTs (sistema de ônibus rápido) já estão em obras e diversas avenidas, como a Beira-Rio e a Tronco, já estão sendo duplicadas. E também, daqui a alguns anos, nossa cidade terá metrô. Uma solução que vai beneficiar não só a Zona Norte, mas interligada  com os BRTs, vai favorecer toda a cidade, pois deixarão de circular 30 mil viagens de ônibus por dia só no Centro Histórico.

 

João Antônio, morador do bairro Nonoai – Do início ao fim da Avenida Nonoai, temos cerca de sete sinaleiras, porém nenhuma para portadores de necessidades especiais. E perto da Rua Cachoeira, onde há um grande fluxo de estudantes e pedestres, não há nenhuma sinaleira. Vocês pretendem fazer alguma modificação nas sinaleiras e locais onde elas estão na cidade?

Adão Villaverde – Porto Alegre já foi uma referência nacional no cuidado com os pedestres, já foi uma referência no transporte público e na coleta seletiva. Por outro lado, muitas pessoas acreditam que há sinaleiras demais na cidade. Pois bem, o que precisa ser feito: primeiro, o emergencial. Não dá para aceitar que perto de escolas, onde há grande movimentação de crianças, não haja sinaleiras que garantam o deslocamento delas. Nosso projeto para o trânsito prevê um levantamento de todas as situações onde necessitam mudanças viárias ou de adequação da sinalização. Quanto à sinalização, nós iremos dotá-las de equipamentos que possam se comunicar com as pessoas com deficiência, pois isso já é uma realidade em várias cidades do Brasil. Porto Alegre não pode mais esperar.

 

Eduardo Kath Ribeiro, morador do bairro Cavalhada – O número de empreendimentos imobiliários tem aumentado muito na Zona Sul. Com isso, o trânsito na região está cada vez mais complicado. Como melhorar o fluxo de veículos da região sul e centro-sul para as demais áreas da cidade?

 Manuela D’Ávila – Estimularemos a redução do uso do carro como meio de transporte individual, garantindo mais conforto aos passageiros de ônibus nas paradas. Instalaremos GPS na frota, informando por torpedo o horário em que o veículo passará. A pessoa também deve poder sair de sua casa pedalando, deixar a bicicleta em um bicicletário público e chegar de ônibus ao seu destino. Ou sair de carro, estacioná-lo em um determinado local e chegar ao centro de lotação. A principal solução, no entanto, é seguir investindo em transporte público de alta capacidade, como Metrô e BRT, integrando modais. Regrar também o fluxo hidroviário, garantindo o uso racional do Guaíba como transporte público. Paralelamente, faremos medidas imediatas de reengenharia do tráfego, como a redução de sinaleiras em vias expressas. A EPTC deve organizar o trânsito.

 


Sobre o autor

é composta por por cinco profissionais de comunicação. Formados em jornalismo e relações públicas, produzem matérias referentes a zona Sul de Porto Alegre e também de interesse desse público. Contato com a editora, Letícia Mellos. Jornalista formada pela Unijuí - RS



Volta para o início ↑