Líderes comunitários e moradores do extremo sul da capital estiver..." /> Na Câmara população do extremo sul diz que foi abandonada pela Prefeitura - Portal Meu Bairro


Belém Novo

Publicado em 18 de junho de 2019 | Por Redação Meu Bairro

0

Na Câmara população do extremo sul diz que foi abandonada pela Prefeitura

Líderes comunitários e moradores do extremo sul da capital estiveram na reunião da Comissão de Urbanização, Transportes e Habitação (Cuthab) hoje, 18, para pedir o apoio dos vereadores de Porto Alegre. Eles dizem estar abandonados pela prefeitura. A reclamação é devido às recorrentes enchentes que ocorrem na região, falta de limpeza e desassoreamento dos valos e do acúmulo de lixo.

O líder comunitário do extremo sul, Francisco de Assis, ressaltou que a dificuldade da região é uma demanda antiga e que principalmente na parada 21 do Lami, onde existe um loteamento no local que obstrui o escoamento da água da chuva. “O loteamento foi construído em cima de um local que se plantava arroz, que tinha um grande escoamento das chuvas, agora a população está debaixo d’água. Tudo isso causado pelo grande crescimento populacional e falta de controle do Executivo”. Segundo Assis, são cerca de 50 mil habitantes que moram no extremo sul.

A representante da Associação Jardim Floresta, Maria Clara Fraga, desabafou que falta reposição de saibro e que se fosse feita uma manutenção regularmente de limpeza, os alagamentos não ocorreriam. “Em frente a nossa associação existe uma creche comunitária que possui 112 crianças e toda vez que chove ficamos apreensivos, pois as crianças correm risco, ficamos ilhados e sujeitos a inundações, estamos abandonados pelo Executivo”.

O diretor da Secretaria de Meio Ambiente e da Sustentabilidade / Urbanismo (Smams/Smurb), Cristian Lehmann, explicou que a secretaria está desenvolvendo alguns trabalhos e dando uma atenção direta para a região sul, revendo os contratos e buscando qualificação dos serviços. “Estamos trabalhando para minimizar as dificuldades da região com a limpeza devida. Temos diversas equipes no local atuando constantemente para atender aquela população”.

O coordenador do Dmae, Marcelo Demoline, completou dizendo que com a junção do Departamento de Esgotos Pluviais (DEP) ao Dmae desde 1º de maio, a incorporação recente está sofrendo ajuste, mas trará maior qualidade nos serviços. “As demandas que antes demoravam 60 dias para serem concluídas, agora terão atendimento de 10 dias, porém, sobre a questão dos valos não existe contrato e estamos refazendo, para colocar em dia também esses serviços”.


Sobre o autor

é composta por por cinco profissionais de comunicação. Formados em jornalismo e relações públicas, produzem matérias referentes a zona Sul de Porto Alegre e também de interesse desse público. Contato com a editora, Letícia Mellos. Jornalista formada pela Unijuí - RS



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Volta para o início ↑