fbpx


Ensino

Publicado em 24 de maio de 2019 | Por Redação Meu Bairro

1

Escola Comunitária no bairro Tristeza dá exemplo e funciona em turno integral

A Escola Comunitária de Educação Básica Aldeia Lumiar, no bairro Tristeza, está atendendo 199 crianças no ensino infantil e fundamental em turno integral. A unidade foi viabilizada em uma parceria entre a Secretaria Municipal de Educação (Smed) e a Aldeia da Fraternidade. A instituição conta com metodologia diferenciada de ensino e aprendizagem baseada no ensino de competências por meio de projetos e da autonomia do estudante.

O atendimento começa pelos primeiros anos do Fundamental. As crianças iniciaram as aulas em 20 de março. 73 alunos do ensino fundamental se somam aos 126 que já eram atendidos no ensino infantil, também via parceria com a prefeitura. Os demais anos serão introduzidos a partir da progressão dos estudantes, até alcançar, em 2021, 220 alunos. O investimento mensal na escola será de R$ 133.810. O valor por estudante é de R$ 970 no Ensino Fundamental e de R$ 500 na Educação Infantil. A cooperação é válida por cinco anos.

Para o prefeito Nelson Marchezan Júnior a inauguração da escola este ano é importante porque mostra que a educação é uma prioridade do governo. “Mesmo sendo a única Capital do Brasil que fecha as contas no vermelho há 20 anos, nós elegemos prioridades. Educação de qualidade para quem mais precisa é diretriz do nosso governo desde o primeiro dia. Não podemos aceitar que nossas crianças tenham um desempenho baixo apenas por serem pobres. Queremos ensino com a mesma qualidade de escolas privadas nas nossas periferias”, diz.

A mantenedora Aldeia da Fraternidade é presidida pelo jornalista e consultor na área de inovação e negócios, Alfredo Fedrizzi. Foi dele e de sua equipe a iniciativa de desenvolver o projeto junto à prefeitura. Fedrizzi destaca que a união de esforços e envolvimento de todas as partes foi fundamental para construir este espaço para as crianças. “Toda a população merece inserção na sociedade de maneira digna. Precisamos dar escola de qualidade e oportunidades para nossas crianças”, salienta. O presidente do Conselho Deliberativo do Instituto Jama, parceiro financiador do projeto, Jayme Sirotsky, destacou a importância de melhorar o ensino. “Se tivermos que errar, vamos errar, o que não podemos é ficar inertes”, garante.


Sobre o autor

é composta por por cinco profissionais de comunicação. Formados em jornalismo e relações públicas, produzem matérias referentes a zona Sul de Porto Alegre e também de interesse desse público. Contato com a editora, Letícia Mellos. Jornalista formada pela Unijuí - RS



One Response to Escola Comunitária no bairro Tristeza dá exemplo e funciona em turno integral

  1. Elenita Oliveira says:

    Moro no bairro Tristeza e não conheço essa escola, qual endereço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Volta para o início ↑