BA-18

Publieditorial kids-dentist[1]

Publicado em 12 de outubro de 2017 | por Redação Meu Bairro

0

Clínica odontológica na Zona Sul se especializa em odontopediatria

Cuidar da saúde bucal das crianças é dar atenção para sua autoestima, saúde e alegria. Nada mais chato do que uma dor de dente para incomodar os pequenos. Por isso conversamos com a Dra. Juliane Severo, da ProSmile Odontologia e Saúde, sobre os cuidados que temos que ter para um desenvolvimento sadio da saúde bucal das crianças.

Os principais cuidados

De acordo com a especialista, os cuidados com a saúde oral na infância são os mesmos para o resto da vida (realizar higienização da boca adequadamente e evitar excesso de alimentos açucarados e acidulados). Ela explica ainda que cuidar da saúde da gengiva e prevenir contra doenças como a cárie, devem ser imprescindíveis desde cedo. “É nesta fase da vida, que ensinamos nossos filhos sobre os cuidados com a saúde geral e também oral, desenvolver bons hábitos garante o sucesso dos tratamentos odontológicos, evitando que as crianças visitem o dentista já em casos de dor, e assim, tendo experiências negativas”, salienta.

Ida ao dentista

Juliane explica que o o ideal é que a criança realize a primeira consulta odontológica até um ano de idade, especialmente por volta dos 6 meses de vida, quando então os primeiros dentes tendem a nascer. A periodicidade das crianças no dentista, varia com cada perfil, quem define a frequência de cada pequeno nas consultas de acompanhamento é o odontopediatra.

Escovação

Outro ponto importante, lembra a dentista, é que sejam realizadas, no mínimo, duas escovações diárias e após, o nascimento dos dentes posteriores, no mínimo, 3 escovações diárias, todas essas realizadas pelos pais. “É importante que o momento da escovação seja um momento de diversão em casa, para que as crianças percebam o quanto é importante tal hábito e observem que todos da casa realizam também.”. Deixar as crianças se escovarem pode ser legal, porém, até 8 anos de idade a criança não possui motricidade para realizar uma escovação adequada sozinha. “É imprescindível que os responsáveis supervisionem”, enfatiza.

22500880_10155244924513264_250392203_n[1]

A escova dental certa também é importante. Ela deve ser macia ou extra-macia e o tamanho da sua cabeça compatível com o tamanho da boca, para que assim, alcance os dentes mais atrás, mais difíceis de higienizar. Já o flúor pode ser com concentração mínima de 1000ppm desde o nascimento do primeiro dente de leite, mas é importante ficar atento porque essa informação está contida nos ingredientes de cada creme dental. “O que vai variar é a quantidade, isso conforme a criança engula (equivalente a um grão de arroz cru) ou cuspa (equivalente a um grão de ervilha) a pasta de dentes.”, diz Juliane.

Já o fio dental é recomendado quando a criança apresentar dentes muito próximos uns dos outros. A odontopediatra lembra que é importante que desde cedo seja incentivado o seu uso,  já que a repetição leva ao hábito. E fique atento! Se você está observando alterações de posições dentarias, alterações causadas por hábitos como bico ou dedo, mal formações como fendas palatinas e crianças que respiram pela boca, procure seu dentista.

Abaixo, os principais cuidados em cada faixa etária:

Um Ano
Importante a introdução da manipulação com a cavidade oral para higienização, a fim de acostumar a criança com o manejo. Cuidados com trauma na região oral, nesta fase as crianças engatinham, caminham e consequentemente caem. Importância da amamentação exclusiva, pelo menos até os 6 meses de vida. Cuidados com a higiene de objetos, esta fase é comum as crianças colocarem tudo na boca. Alerta-se para a erupção dos primeiros dentes e, por isso, a importância da ida ao dentista, para esclarecimento de dúvidas e orientações.
2-5 anos
Aproveita-se que nesta fase a criança se encanta com o mundo imaginário e, ao mesmo, tempo entende o que os responsáveis querem lhe ensinar, para o desenvolvimento dos hábitos, explicações lúdicas, tornando momentos de escovação e idas ao dentista como algo positivo e não como sinônimo de castigo. Cuidado com relatos de experiencias negativas vividas pelos responsáveis, evite algumas palavras que possam assustá-los como “broca”, “dor”, “anestesia”, deixe essas explicações para um odontopediatra.
10-15 anos
Nesta fase, os adolescentes costumam ser mais preguiçosos, tente motivá-los com algo relativo aos seus interesses, ficar apenas cobrando não vai resolver. Nesta fase eles já realizam os cuidados sozinhos, e por isso, costumam preferir entrar no consultório sozinhos também, é normal. Além disso, gostam de praticar esportes mais radicais, os cuidados com traumas são sempre alertados nesta fase.
15-18 anos
Cuidados mais estéticos são sempre os mais requisitados nessa fase. A preocupação com a aparência é uma das causas mais comuns no dentista. Quando a relação é criada desde a infância, o odontopediatra costuma atender essa faixa etária ainda, é muito bom ter um profissional que o acompanha desde o inicio da vida, conhecendo todo o seu desenvolvimento.

Informações e agendamento de consultas podem ser feitas através do telefone 4061.3343

 


Sobre @ colunista

é composta por por cinco profissionais de comunicação. Formados em jornalismo e relações públicas, produzem matérias referentes a zona Sul de Porto Alegre e também de interesse desse público. Contato com a editora, Letícia Mellos. Jornalista formada pela Unijuí - RS




Comente no Facebook


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Início ↑
  • ANUNCIO_PROLIFE_MEU_BAIRRO


    Comp-3


    Comp-3


  • Anúncio Google

  • Anúncio Google

  • pequena