fbpx


Dengue

Publicado em março 14th, 2019 | Por Redação Meu Bairro

0

Novos casos de dengue motivam aplicação de inseticida

O bairro Santa Rosa de Lima terá aplicação de inseticida nesta quinta-feira, 14, a partir das 9h30, realizada pela Secretaria Municipal de Saúde, via Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde (CGVS). A operação ocorre após a confirmação do segundo caso autóctone de dengue na Capital, ou seja, contraído pelo paciente na própria cidade, sem histórico de viagem. Além deste, outras duas pessoas com parentesco apresentam sintomas e estão sob investigação, mas já indicam vínculo clínico epidemiológico.

Manhã – Aplicação de inseticida a partir das 9h30, nos seguintes logradouros:

– trecho da Rua Santa Rosa de Lima, entre a Rua João Estevão da Silva e o Acesso Dois Vila Santa Rosa;
– trecho da Rua Dídia Jardim Pinto, entre a Rua Jaci Barcelos de Oliveira e a Rua Santa Rosa de Lima;
– trecho da Rua João Estevão da Silva, próximo à esquina da Rua Santa Rosa de Lima;
– trecho da Rua Valdemar Albino de Araújo, entre a Rua M e o Acesso Dois Vila Santa Rosa;
– trecho da Rua Heitor Souto até um pouco depois da esquina com a Rua Dídia Jardim Pinto;
– trecho da Rua Jaci Barcelos de Oliveira, próximo da Rua Dídia Jardim Pinto;
– trecho da Rua Mary Taranger, entre a Rua Heitor Souto e a Rua Valdemar Albino de Araújo.

Tarde – Aplicação de inseticida a partir das 14h30, nos seguintes logradouros:

– trecho da Rua Santa Bárbara – Jd. Por do Sol, entre a Rua Guilherme da Silva – Jd. Por do Sol e a Rua Palmares – Jd. Por do Sol;
– trecho da Rua Santa Clara – Jd. Por do Sol, entre a Rua Guilherme da Silva – Jd. Por do Sol e a Rua Palmares Jd. Por do Sol;
– Rua Guilherme da Silva – Jd. Por do Sol;
– Rua Figueira – Jd. Por do Sol;
– Rua Jordão – Jd. Por do Sol;
– Rua Manoel Serafim – Jd. Por do Sol
– Rua Palmeira – Jd. Por do Sol;
– Rua Umbertina Gonçalves – Jd. Por do Sol;
– Rua Palmares – Jd. Por do Sol;
– trecho da Rua Alba Garcia de Oliveira, entre a Rua V – Vila Santa Rosa e a Rua Donário Braga.

O trabalho é feito para diminuir o risco de transmissão viral. “A pulverização de inseticida é realizada para evitar que o paciente seja picado por uma fêmea, que depois, ao picar outra pessoa, vai iniciar o ciclo de transmissão local, na tentativa de eliminar os mosquitos que possam ter se infectado durante o período de viremia dos pacientes”, explica a médica veterinária Rosa Maria Carvalho, que coordena a ação em campo.


Sobre o autor

é composta por por cinco profissionais de comunicação. Formados em jornalismo e relações públicas, produzem matérias referentes a zona Sul de Porto Alegre e também de interesse desse público. Contato com a editora, Letícia Mellos. Jornalista formada pela Unijuí - RS



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Volta para o início ↑